Brasil, país solar

Publicado em 16/07/2014

O Brasil possui um dos maiores índices de irradiação solar do mundo. Esses valores de irradiação solar global incidente (4200-6700 kWh/m²), em qualquer região do território brasileiro, são superiores aos da maioria dos países da Europa, como Alemanha (900-1250 kWh/m²), França (900-1650kWh/m²) e Espanha (1200-1850 kWh/m²). Praticamente todas as regiões brasileiras recebem mais de 2.200 horas de insolação por ano.

Apesar disso, o fator de penetração do aquecimento solar no país é de apenas 0,033 m2/habitante, cerca de 10 vezes inferior ao da Áustria e Grécia em 2008, segundo cálculos do Ministério do Meio Ambiente. Bilhões de kWh de energia elétrica hoje consumida no aquecimento de água para banho no horário de pico poderiam ser supridos com o aquecimento solar, atenuando o acionamento das usinas hidrelétricas e a necessidade de grandes investimentos na expansão do sistema elétrico.

Para se ter uma ideia da economia possível, basta citar pesquisa da Eletrobras apontando que no Brasil 24% do consumo residencial de energia elétrica são destinados ao aquecimento de água para banho (veja entrevista à página 11). Os 9,8 milhões m2 de coletores térmicos solares atual mente em operação no país geram energia superior a 6,3 GWh/ano, o que corresponde ao consumo residencial anual de uma cidade com cerca de 12 milhões de habitantes como São Paulo(*). Sistema de aquecimento solar em exposição durante o evento (*) considera 160,8 kWh/mês por domicílio (EPE-2013) e 3,3 moradores por domicílio ( IBGE-2010)